Novo Romance

140
 João Morgado fecha a "Trilogia dos Navegantes" com Magalhães.

“Não, não, não!”. Foram estas as palavras que D. Manuel I devolveu a Fernão de Magalhães quando este lhe pediu um aumento. Afinal merecia, já tinha dado meia-volta ao mundo. Queria ver os seus méritos reconhecidos. “Não!” E se o rei de Castela lhe desse ouvidos, o levasse a sério, acreditasse na sua coragem e tenacidade, para partir numa viagem de circum-navegação?

Obra com orientação científica do historiador José Manuel Garcia

Em 1519, uma armada saiu de Sevilha sob o comando de Fernão de Magalhães com o objectivo de provar que a Terra era redonda e que seria possível chegar à Ásia rumando pelo Ocidente. Para trás o comandante deixa a sua amada Beatriz e uma promessa: «Um dia trago-te uma ave-do-paraíso. Prometo!»

No entanto a jornada era longa e a ave-do paraíso ficava cada dia mais distante. A fome, a sede, o frio, a violência, a morte marcaram a viagem, assim como a esperança, o acreditar que encontrariam a passagem para o outro lado do Mundo, a felicidade de ouvir um «terra à vista» ou de perceber que um companheiro estava vivo. Mas que segredos esconde Fernão de Magalhães para a determinada altura perder o brilho no olhar, desistir de avançar e de alcançar o tão desejado destino: as ilhas Molucas?

No ano em que se comemora os 500 anos da viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães, o romancista João Morgado apresenta-nos um romance inovador em que a ficção e a História se entrelaçam harmoniosamente e que permite ao leitor descobrir a vida intensa de Fernão de Magalhães, numa viagem no tempo, com a segurança de que, ao segui-la passo-a-passo, encontrará o que de mais verosímil se conhece sobre esta viagem histórica e sobre este homem que marcou a história da Humanidade.

A Esfera dos Livros 

 


 

Fernão de Magalhães foi primeiro homem assumir a forma global do nosso planeta e a circundá-lo, primeiro pelo oriente e depois pelo ocidente. Provou experimentalmente que a terra era redonda – apesar da noção teórica da sua esfericidade já existir desde os tempos antigos e revelou, pela primeira vez, a dimensão aproximada do planeta. Ao seu cargo, teve a organização e comando da mais difícil e longa viagem marítima da História – que acabou por ser a primeira viagem de circum-navegação do globo -, e que lhe permitiu alcançar com êxito o objetivo sonhado por Cristóvão Colombo: chegar à Ásia rumando a ocidente. Concluiu assim, no essencial, o grande ciclo dos Descobrimentos marítimos, iniciado um século antes, em Portugal.

Foi o primeiro europeu a navegar no mar do sul, a que chamou Oceano Pacífico. Foi o grande responsável por levar a fé católica às Filipinas, a primeira nação cristã no Oriente. Polémico e arrojado, Magalhães é uma figura fundamental na história do Ocidente.

Para a sua grande aventura, partiu de Sevilha em Setembro de 1519, faz agora 500 anos.

 

“Sem os superpoderes dos heróis da Marvel, Magalhães abraçou o mundo”