O Crúzio de Santa Cruz

80
Crúzio de Santa Cruz (Coimbra)
Crúzio de Santa Cruz (Coimbra)

Poema na colectânea relativa ao Café de Santa Cruz, 2016.

 

Foi uma igreja. Já não é.

É um templo sem culto, sem altar.

Mas se entramos, há hossanas, Salve, Ave,

     uma vontade de a gente se persignar.

 

Há uma oração de pedra nas abóbadas,

     madeiras curvas a orar,

     uma devoção que medra, uma luz velha no olhar.

 

Para essa luz de Deus habitar o homem

     basta um corpo franco, uma alma nua,

     há pois um vitral que reluz,

     que em Santa Cruz,

     os cónegos louvavam o sol,

     mas veneravam a lua.

 

     – Sai um Crúzio!

 

Eis o pecado dos ovos, do açúcar e da amêndoa laminada!

Só mudaram os regrantes, os crentes e os passantes

     mas é ainda gente de vulto que aqui se curva e vem orar

     ainda que a devoção tenha mais sabor a pecar.

 

Mas se hoje é mundano o lugar que foi de culto

     sai um doce e um indulto, que Deus sabe perdoar!

 

João Morgado IN: “Em Nome do Teu Nome”, Ed. Café de Santa Cruz, Coimbra, 2016

 

O Crúzio de Santa Cruz
O Crúzio de Santa Cruz