O retrato de D. Sebastião

452
"D. Sebastião - Rei de Portugal" pintura de Cristóvão de Morais, c. 1571-74, (Pormenor)
A 'perfeição' das pinturas reais IN: "O Livro do Império" ____

«Almeirim, Abril, 1570 – Tinha a voz que tinha. Escanifrada, porque bradava aos céus por tudo e por nada. Aguda, porque tinha dezasseis anos e era um catraio. Altiva, porque além de tudo, era rei. “Eu ordeno!” – e ordenava. Assim ia o reino, ao mando de D. Sebastião, senhor de uma voz escanifrada, aguda e altiva. Uma voz que não chegava às Índias, ao Brasil, às Áfricas, mas chegava ao fundo do salão, onde estavam os servidores, dezenas de servidores – nobres e plebeus.

“O pintor que entre”, ordenou. A voz era mais alta que ele, e a autoridade dava-lhe uma dimensão que não tinha. Cristóvão de Morais , um apreciado retratista da corte, entrou no salão, trazendo entre mãos o esboço da figura real – um encarrego da rainha Catarina de Áustria, viúva de D. João III, avó d’el rei. Os serviçais trouxeram o cavalete, os pincéis e as tintas, os panos, os diluentes.

“Terei que posar por muito tempo?”

Perguntou com o mesmo tom com que ordenava – voz aguda, altiva e escanifrada. O retratista respondeu com a voz de servo – sumida, curva e frouxa. Disse que não, ao mesmo tempo que fazia a vénia. Que era só um estudo para definir a composição final – outra vénia -, coisa pouca, uns minutos. Seria rápido. Vénia final.

D. Sebastião, o pequeno rei de voz alta, colocou-se em posição majestática. Olhar frio e desafiante, rosto autoritário, mão na cintura para dar porte, a outra caída. O pintor ainda tentou chegar-se junto do monarca para lhe compor a postura, mas foi impedido – “Não podeis tocar em Sua Alteza Real”. Cristóvão afastou-se por entre mil vénias, andando às arrecuas. De voz cada vez mais sumida, curva e frouxa, lá solicitou que el-rei endireitasse mais as reais costas, decaísse um pouco o real queixo e exibisse um real sorriso. Mas o monarca manteve a mesma real postura, como se nada lhe tivesse sido dito. Apenas acrescentou:

“D. Sebastião – Rei de Portugal” por Cristóvão de Morais, c. 1571-74, Museu nacional de Arte Antiga, Lisboa, Portugal

“Atentai que não desejo o retrato de corpo inteiriço como no quadro pintado por Alonso Coello. Só dos joelhos para arriba!”

Ordens reais. Ordens a cumprir. Não importa o tom da voz. A voz que não chegava às Índias, ao Brasil, às Áfricas, mas que chegava ao fundo do salão, ao cavalete, ao pintor. Cristóvão de Morais entendeu a mensagem. Alonso Sánchez Coello, um espanhol renascentista, tinha pintado o monarca pelos seus oito anos. Uma pintura tão realista que lhe expunha as deformidades. Percebia-se que el-rei tinha um tronco firme mas curto das espáduas à cintura. Por outro lado, era comprido da cintura até aos joelhos. Tinha coxas longas e pernas arqueadas, sendo que uma destas, a esquerda, era mais curta que a outra.

“Pintai só dos joelhos para arriba!”, repetia ele de voz escanifrada, aguda e altiva. O mesmo era dizer: pintai-me na perfeição, deixai as minhas malformações de fora. Cristóvão entendeu o sentido do pedido. A obra que tinha em mãos teria de ser lisonjeira para o monarca. Ainda que imberbe, era a fronte de um reino, o comandante-mor de exércitos, o inspirador de batalhas – e naquele caso, viril mancebo à procura de uma princesa de influente família.

Não era assim com todos os monarcas? Bastava atentar nas pinturas e iluminuras de Eduardo VI da Inglaterra, coroado com 10 anos, ou de Francisco II de França, entronizado aos 15 anos? Rostos reservados, em sinal de maturidade; tinham as tintas dos mestres que encobrir os soberanos ameninados que perante si pousavam.

Os retratos eram verdadeiros actos políticos. Assim que se concentrou no meio corpo de D. Sebastião. Depois recortaria a tela, expurgando o molesto da desarmonizada figura real.

Um dos camareiros acercou-se e passou com um lenço na fronte de Sua Alteza para limpar um laivo de transpiração. Outro levou-lhe água fresca. “Quero o cálice com tampa. Sempre, sempre, sempre! Quantas vezes tenho de redizer tal cousa, imbecis?” – voz aguda, altiva e, sobretudo, escanifrada. O cálice foi arrojado ao chão e logo outro serviçal vem com água num cálice fechado. El-rei recupera a sua postura majestática.

Cristóvão esboçava o quadro, delineava pormenores, fazia ensaios… marcava o azul dos olhos, a cor arruivada dos cabelos curtos, anelados. Reparava agora que tinha o monarca uma mão maior que a outra. Mas fechada sobre o copo da espada que tinha à ilharga, ficaria impercetível – pensou ele. Mas nem a tudo podia fugir, correndo o risco de o desfigurar. Como por exemplo, o lábio inferior descaído, desaprumado, grosso. Ou o proeminente queixo, que era uma herança da família materna, os Habsburgo – o seu avô, Carlos V , da Áustria, tinha um maxilar igual.

Olhou para o catraio, suspirou, e prometeu a si mesmo que faria os possíveis por dar de D. Sebastião uma imagem forte, inspiradora, para que o temessem os outros reis, suspirassem por ele as princesas, e o povo nele acreditasse…»

 

João Morgado

In: O Livro do Império

Criticas »»

Comprar: Clube do Autor

 

 

 


 

“O domínio de recursos expressivos bem dosados proporciona ao leitor uma experiência única e quase física: personagens são esculpidos pelo verbo, tornam-se quase tácteis. O engenho do autor é absoluto. Regente de sua linguagem, João Morgado refaz a história com suas tintas narrativas de mestre.”

Beatriz H. Ramos Amaral

Escritora brasileira


 

Outros artigos relacionados »»»

“O Livro do Império”